Dr. David Nordon

Rua José António

Coelho 801 - Vila Mariana

São Paulo - SP

​​

E-mail

  • Facebook Social Icon
  • Instagram Social Icon

CRM 149.764

TEOT 15.305

Raquitismo

 

 

O que é?

Raquitismo é uma doença que provoca deformidades progressivas no osso em crescimento. Quando ocorre no esqueleto já maduro (de adulto, que não cresce mais), é conhecido como osteomalácia.

 

O que causa?

A principal causa é a alteração do metabolismo da vitamina D, o que pode se dever a baixa ingestão, baixa metabolização (por falta de exposição ao sol), ou outras alterações (como no caso de alterações genéticas que promovam resistência à vitamina D). A vitamina D é essencial para a formação saudável do osso; se ela não estiver presente, o osso se torna menos resistente e começa a deformar devido à carga exercida pelo corpo.

 

O que a criança sente?

O raquitismo não causa dor. Em alguns casos, pode haver sintomas por falta de cálcio, mas o mais comum é haver deformidades ósseas. As mais comuns são: geno varo (joelhos afastados) ou valgo (joelhos aproximados), alterações no crânio, alterações nas costelas (rosário raquítico) e nos ossos próximos a articulações.

 

Como diagnosticar?

Geralmente, os pacientes com raquitismo são encaminhados aos ortopedistas para avaliação de deformidades ósseas (principalmente joelhos). Durante a investigação, o ortopedista solicita diversos exames, dentre eles radiografias e dosagem de vitamina D. Para diferenciar os subtipos de raquitismo, é necessário colher exames de vários hormônios envolvidos nas etapas de metabolização da vitamina D e, com isso, o médico pode direcionar o tratamento adequado. O diagnóstico do raquitismo por falta de vitamina D é relativamente simples, porém pode passar despercebido por tempo prolongado, até as deformidades se estabelecerem, após os 18 a 24 meses de vida.

 

Como tratar?

O tratamento é direcionado pelo tipo de raquitismo. No caso do raquitismo com falta de vitamina D, que é a mais comum, o tratamento é realizado com a suplementação desta vitamina, tanto pela dieta e exposição ao sol, como pelo uso de suplementos.

Apenas após a resolução da alteração do metabolismo – ou estabilização da doença – é que o ortopedista entra em cena para realizar a correção das deformidades que permaneceram como sequelas. Nestes casos, diversos procedimentos podem ser realizados, desde bloqueios de crescimento selecionados para determinados ossos, de forma a corrigir a deformidade progressivamente conforme o crescimento, até cortes ósseos e correções (osteotomias) e o uso de fixadores externos circulares do tipo Ilizarov.

 

Como prevenir?

A prevenção é muito simples e instituída em todo o Brasil pelo governo federal: utilização de suplementação de vitamina D após a primeira semana de vida, até um ano de idade, e exposição ao sol (30 minutos por semana em lactentes com fralda, ou 2 horas por semana, vestidos).

 

Ficou com alguma dúvida? Entre em contato.

 

Dr. David Gonçalves Nordon.

CRM-SP 149.764.

TEOT 15.305

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload